quarta-feira, 24 de maio de 2017

#Dica Segurança Pessoal Nas Ruas


  1. Não ande sozinho. Sempre que for possível, não se exponha gratuitamente à ação dos delinqüentes, passeando desacompanhado por locais ermos e ou em horas avançadas. Em uma festa ou reunião espere pela companhia de um amigo para sairem juntos. Uma forma de prudência é antecipar-se ao perigo, prevenindo-se;
  2. Quando estiver só, escolha seu trajeto, evitando passar por locais desertos e ou pouco iluminados. Mantenha-se alerta ao cruzar com suspeitos e não pare para atender pedidos que lhe despertem desconfiança. Caminhe junto à guia da calçada e atravesse a rua a qualquer sinal de perigo. Ao pressentir a aproximação de estranhos em atitude suspeita entre no primeiro local habitado que encontrar e peça ajuda;
  3. Não carregue consigo grandes importâncias em dinheiro ou outros valores. Se o fizer por necessidade imperiosa, procure guardar o numerário de modo seguro e discreto, evitando grandes aglomerações, onde agem os punguistas e descuidistas, assim como em lugares sem movimento onde poderão roubá-lo. As mulheres devem carregar suas bolsas firmemente seguras entre o braço e o corpo, mantendo a mão sobre seu fecho. Siga diretamente para seu destino quando portar valores, não parando em bares ou casas de diversão;
  4. Ao parar em pontos de ônibus procure os que se situam em locais de grande movimento, preferencialmente aqueles localizados à porta dos estabelecimentos comerciais;
  5. Quando estiver em um coletivo e este for invadido por ladrões, mantenha-se calmo. Não encare diretamente os assaltantes e nem tente dialogar com eles. Se houver oportunidade de se desfazer de alguns de seus valores, faça-o de maneira a mais dissimulada possível, guardando consigo uma pequena soma de dinheiro. Não reaja, sua vida não tem preço;
  6. Não use locais isolados para colóquios amorosos. Os namorados em lugares solitários são presa fácil dos ladrões;
  7. Desconfie sempre de estranhos de conversa envolvente que tentem aproximação. Não aceite convites de desconhecidos casuais que venha a encontrar na rua, em bares ou casas de diversão noturnas;
  8. Igualmente não se deixe levar pela conversa de estranhos que venham a abordá-lo para propor "negócio da China". São vigaristas, chame o policial mais próximo;
  9. Não ande armado. Quem carrega arma de fogo, muitas vezes sem saber usá-la eficazmente, pode ser induzido à prática de atos temerários ante a ação de criminosos.
  10. Procure controlar-se nas piores situações. Os assaltantes valem-se do fator  surpresa para atacar suas vítimas. Não grite e nem discuta com eles - seu nervosismo poderá aumentar a tensão sob a qual agem e provocar uma atitude mais agressiva em seu desfavor.
Fonte: Site Polícia Civil SP

domingo, 21 de maio de 2017

#Dica Segurança Eletrônica


  1. Evite abrir e-mails de remetentes desconhecidos; se forem abertos e estiverem acompanhados de arquivos anexos, não abra tais anexos em hipótese alguma. Geralmente são arquivos executáveis que se infiltram no seu computador.
  2. Evite abrir e-mails de bancos e órgãos oficiais como Receita Federal, TRE, DETRAN e SERASA. Essas instituições não enviam e-mails, a não ser que seja solicitado pelo usuário.
  3. Faça instalação de programas antivírus, de preferência fabricantes conhecidos, e evite programas piratas.
  4. Fazer uso de Backup (cópia de segurança) em arquivos importantes.
  5. Escolha sites conhecidos
  6. Certifique-se da segurança do site. Ele deve ter um ícone de cadeado na parte inferior da tela.
  7. Só digite números pessoais como identidade, CPF ou cartão de crédito em sites criptografados (essa técnica de segurança ‘‘embaralha’’ as informações para que só os computadores do site consigam desvendar o real significado de suas informações pessoais). Para saber se a empresa conta com esse processo, procure o link que descreve as formas de pagamento e condições de segurança.
  8. Verifique se os dados do seu cartão de crédito ficam armazenados no banco de dados da loja virtual. Os melhores sites são os que não salvam esses dados.
  9. Imprima todas as etapas da negociação feita pela Internet. Inclusive a descrição do produto, os termos de pagamento, condições e a garantia.
  10. Evite deixar em seu computador pessoal (PC) senhas gravadas ou o uso da função auto-completar.
  11. Crie senhas aleatórias, mesclando letras e números e procure alterá-la periodicamente, evite usar nomes que possam facilitar a ação de Hackers como data de aniversário, numero do telefone, datas comemorativas e nomes de familiares ou animais de estimação.
  12. Não forneça dados pessoais em salas de relacionamento ou bate-papos on-line. Os criminosos são capazes de desvendar senhas com apenas algumas informações pessoais.
  13. Nunca divulgue número de cartão, conta bancária ou senha por e-mail.
  14. Os pais devem ficar atentos e monitorar os contatos e relacionamentos que  envolvem crianças e adolescentes, principalmente durante a madrugada.
Fonte: Site Policia Civil SP

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Elegância. Você tem?


Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que,  talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do  comportamento. 

É  um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do  que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza. 

É a elegância que nos  acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas  situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por  perto. 

É uma  elegância desobrigada. É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que  criticam. Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam  longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca a boca. 

É possível detectá-la nas  pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir a  frentistas. 

Nas  pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar  os outros. 

É  possível detectá-la em pessoas pontuais. 

Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que  desconhece, é quem presenteia fora das datas festivas, é quem cumpre o que  promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes  quem está falando e só depois manda dizer se está ou não está. 

Oferecer flores é sempre  elegante. 

É  elegante não ficar espaçoso demais. 

É elegante, você fazer algo por  alguém, e este  alguém jamais saber o que você teve que se arrebentar para o  fazer... 

É  elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao outro. 

É muito elegante não falar de  dinheiro em bate-papos informais. 

É elegante retribuir carinho e  solidariedade. 

É  elegante o silêncio, diante de uma rejeição... 

Sobrenome, jóias e nariz  empinado não substituem a elegância do Gesto. 

Não há livro que ensine  alguém a ter uma visão generosa do mundo, a estar nele de uma forma não  arrogante. 

É  elegante a gentileza. Atitudes gentis falam mais que mil imagens... 

... Abrir a porta para alguém  é muito elegante. 

... Dar o lugar para alguém sentar... É muito elegante. 

... Sorrir, sempre é muito  elegante e faz um bem danado para a alma... 

... Oferecer ajuda... É muito   elegante. 

... Olhar nos olhos, ao conversar é essencialmente  elegante. 

Pode-se  tentar capturar esta delicadeza natural  pela observação, mas tentar  imitá-la é improdutivo. 

A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver, que independe  de status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que acha que  "com amigo não tem que ter estas frescuras". 

Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os  desafetos é que não irão desfrutá-la. 

Educação enferruja por falta de uso! 


E, detalhe: não é  frescura. 

domingo, 14 de maio de 2017

Conto de verão nº 2: Bandeira Branca

Ele: tirolês. Ela: odalisca. Eram de culturas muito diferentes, não podia dar certo. Mas tinham só quatro anos e se entenderam. No mundo dos quatro anos todos se entendem, de um jeito ou de outro. Em vez de dançarem, pularem e entrarem no cordão, resistiram a todos os apelos desesperados das mães e ficaram sentados no chão, fazendo um mantinha de confete, serpentina e poeira, até serem arrastados para casa, sob ameaças de jamais serem levados a outro baile de Carnaval.
Encontraram-se de novo no baile infantil do clube, no ano seguinte. Ele com o mesmo tirolês, agora apertado nos fundilhos, ela de egípcia. Tentaram recomeçar o mantinha, mas dessa vez as mães reagiram e os dois foram obrigados a dançar, pular e entrar no cordão, sob ameaça de levarem uns tapas. Passaram o tempo todo de mãos dadas.
Só no terceiro Carnaval se falaram.
— Como é teu nome?
— Janice. E o teu? — Píndaro.
— O quê?!
— Píndaro.
— Que nome!
Ele de legionário romano, ela de índia americana.
***
Só no sétimo baile (pirata, chinesa) desvendaram o mistério de só se encontrarem no Carnaval e nunca se encontrarem no clube, no resto do ano. Ela morava no interior, vinha visitar uma tia no Carnaval, a tia é que era sócia.
— Ah.
Foi o ano em que ele preferiu ficar com a sua turma tentando encher a boca das meninas de confete, e ela ficou na mesa, brigando com a mãe, se recusando a brincar, o queixo enterrado na gola alta do vestido de imperadora. Mas quase no fim do baile, na hora do Bandeira branca, ele veio e a puxou pelo braço, e os dois foram para o meio do salão, abraçados. E, quando se despediram, ela o beijou na face, disse “Até o Carnaval que vem” e saiu correndo.
No baile do ano em que fizeram 13 anos, pela primeira vez as fantasias dos dois combinaram. Toureiro e bailarina espanhola. Formavam um casal! Beijaram-se muito, quando as mães não estavam olhando. Até na boca. Na hora da despedida, ele pediu:
— Me dá alguma coisa.
— O quê?
— Qualquer coisa.
— O leque.
O leque da bailarina. Ela diria para a mãe que o tinha perdido no salão.
***
No ano seguinte, ela não apareceu no baile. Ele ficou o tempo todo à procura, um havaiano desconsolado. Não sabia nem como perguntar por ela. Não conhecia a tal tia. Passara um ano inteiro pensando nela, às vezes tirando o leque do seu esconderijo para cheirá-lo, antegozando o momento de encontrá-la outra vez no baile. E ela não apareceu. Marcelão, o mau elemento da sua turma, tinha levado gim para misturar com o guaraná. Ele bebeu demais. Teve que ser carregado para casa. Acordou na sua cama sem lençol, que estava sendo lavado. O que acontecera?
— Você vomitou a alma — disse a mãe.
Era exatamente como se sentia. Como alguém que vomitara a alma e nunca a teria de volta. Nunca. Nem o leque tinha mais o cheiro dela.
Mas, no ano seguinte, ele foi ao baile dos adultos no clube — e lá estava ela! Quinze anos. Uma moça. Peitos, tudo. Uma fantasia indefinida.
— Sei lá. Bávara tropical — disse ela, rindo.
Estava diferente. Não era só o corpo. Menos tímida, o riso mais alto. Contou que faltara no ano anterior porque a avó morrera, logo no Carnaval.
— E aquela bailarina espanhola?
— Nem me fala. E o toureiro?
— Aposentado.
A fantasia dele era de nada. Camisa florida, bermuda, finalmente um brasileiro. Ela estava com um grupo. Primos, amigos dos primos. Todos vagamente bávaros. Quando ela o apresentou ao grupo, alguém disse “Píndaro?!” e todos caíram na risada. Ele viu que ela estava rindo também. Deu uma desculpa e afastou-se. Foi procurar o Marcelão. O Marcelão anunciara que levaria várias garrafas presas nas pernas, escondidas sob as calças da fantasia de sultão. O Marcelão tinha o que ele precisava para encher o buraco deixado pela alma. Quinze anos, pensou ele, e já estou perdendo todas as ilusões da vida, começando pelo Carnaval. Não devo chegar aos 30, pelo menos não inteiro.
Passou todo o baile encostado numa coluna adornada, bebendo o guaraná clandestino do Marcelão, vendo ela passar abraçada com uma sucessão de primos e amigos de primos, principalmente um halterofilista, certamente burro, talvez até criminoso, que reduzira sua fantasia a um par de calças curtas de couro. Pensou em dizer alguma coisa, mas só o que lhe ocorreu dizer foi “pelo menos o meu tirolês era autêntico” e desistiu. Mas, quando a banda começou a tocar Bandeira branca e ele se dirigiu para a saída, tonto e amargurado, sentiu que alguém o pegava pela mão, virou-se e era ela. Era ela, meu Deus, puxando-o para o salão. Ela enlaçando-o com os dois braços para dançarem assim, ela dizendo “não vale, você cresceu mais do que eu” e encostando a cabeça no seu ombro. Ela encostando a cabeça no seu ombro.
***
Encontram-se de novo 15 anos depois. Aliás, neste Carnaval. Por acaso, num aeroporto. Ela desembarcando, a caminho do interior, para visitar a mãe. Ele embarcando para encontrar os filhos no Rio. Ela disse “quase não reconheci você sem fantasias”. Ele custou a reconhecê-la. Ela estava gorda, nunca a reconheceria, muito menos de bailarina espanhola. A última coisa que ele lhe dissera fora “preciso te dizer uma coisa”, e ela dissera “no Carnaval que vem, no Carnaval que vem” e no Carnaval seguinte ela não aparecera, ela nunca mais aparecera. Explicou que o pai tinha sido transferido para outro estado, sabe como é, Banco do Brasil, e como ela não tinha o endereço dele, como não sabia nem o sobrenome dele e, mesmo, não teria onde tomar nota na fantasia de falsa bávara…
— O que você ia me dizer, no outro Carnaval? — perguntou ela. — Esqueci — mentiu ele.
Trocaram informações. Os dois casaram, mas ele já se separou. Os filhos dele moram no Rio, com a mãe. Ela, o marido e a filha moram em Curitiba, o marido também é do Banco do Brasil… E a todas essas ele pensando: digo ou não digo que aquele foi o momento mais feliz da minha vida, Bandeira branca, a cabeça dela no meu ombro, e que todo o resto da minha vida será apenas o resto da minha vida? E ela pensando: como é mesmo o nome dele? Péricles. Será Péricles? Ele: digo ou não digo que não cheguei mesmo inteiro aos 30, e que ainda tenho o leque? Ela: Petrarco. Pôncio. Ptolomeu…

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Diferentes formas de dizer a mesma coisa

QUANDO SE TEM DOUTORADO
O dissacarídeo de fórmula C12H22O11, obtido  através da fervura e da evaporação de H2O do líquido
resultante da  prensagem do caule da gramínea Saccharus officinarum Linneu, 1758, isento de  qualquer outro
tipo de processamento suplementar que elimine  suas impurezas, quando apresentado sob a forma geométrica
de sólidos de  reduzidas dimensões e arestas retilíneas, configurando pirâmides truncadas de  base
oblonga e pequena altura, uma vez submetido a um toque no órgão do  paladar de quem se disponha a um teste organoléptico impressiona  favoravelmente as papilas gustativas, sugerindo impressão sensorial  equivalente provocada pelo mesmo dissacarídeo em estado bruto, que ocorre no líquido nutritivo da alta viscosidade, produzindo nos órgãos especiais  existentes na Apis mellifera, Linneu, 1758. No entanto, é  possível
comprovar experimentalmente que esse dissacarídeo, no estado  físico-químico descrito e apresentado sob
aquela forma geométrica, apresenta  considerável resistência a modificar apreciavelmente suas dimensões
quando  submetido a tensões mecânicas de compressão ao longo do seu eixo em  conseqüência da pequena
capacidade de deformação que lhe é  peculiar.


QUANDO SE TEM MESTRADO
A sacarose extraída da cana de açúcar, que ainda  não tenha passado pelo processo de purificação e refino,
apresentando-se  sob a forma de pequenos sólidos tronco-piramidais de base retangular,  impressiona
agradavelmente o paladar, lembrando a sensação provocada pela  mesma sacarose produzida pelas abelhas
em um peculiar líquido espesso e  nutritivo. 
Entretanto, não altera suas dimensões lineares ou  suas proporções quando submetida a uma tensão axial em
conseqüência da  aplicação de compressões equivalentes e opostas.


QUANDO SE TEM  GRADUAÇÃO
O açúcar, quando ainda  não submetido à refinação e, apresentando-se em blocos sólidos de  pequenas
dimensões e forma tronco-piramidal, tem sabor deleitável da  secreção alimentar das abelhas; todavia
não muda suas proporções quando  sujeito à compressão.


QUANDO SE TEM ENSINO MÉDIO
Açúcar não refinado, sob a forma de pequenos  blocos, tem o sabor agradável do mel, porém não muda de forma quando  pressionado.


QUANDO SE TEM ENSINO FUNDAMENTAL
Açúcar mascavo em tijolinhos tem o sabor  adocicado, mas não é macio ou flexível.


QUANDO NÃO SE TEM  ESTUDO
Rapadura é doce, mas não  é mole não.

domingo, 7 de maio de 2017

Sexo Seguro


Você lembra do tempo em que “sexo seguro” significava usar camisinha para evitar doenças sexualmente transmissíveis e gravidez? Esqueça, os bons tempos terminaram. Confira aqui as dicas para sexo seguro que um homem deve observar no maravilhoso mundo feminista moderno!

A coisa está ficando assim: sabe aquela gatinha que você conheceu na balada, que deu a maior mole, você convidou para um motel e ela topou?


Primeiro, leve a garota à uma emergência hospitalar e solicite um teste de dosagem de álcool e outros entorpecentes, para evitar acusação de posse sexual mediante fraude. (Art. 215 CPB)

Depois, passe com ela em um cartório e exija que ela registre uma declaração de que está praticando sexo consensual, para evitar acusação de estupro. (Art. 213 CPB)

Exija também o registro de uma declaração de que ela está praticando sexo casual, para evitar pedido de pensão por rompimento de relação estável. (Lei 9.278, Art. 7)

Depois, vá a um laboratório e exija o exame de beta-HCG (gonadotrofina coriônica humana) para ter certeza que você não é o pato escolhido para sustentá-la na gravidez de um bebê que não é seu. (Lei 11.804 Art. 6)

No motel ou em casa, use camisinha e nada de “sexo forte” pra evitar acusações de violência doméstica e pegar uma Maria da Penha nas costas.
Além disso, você deve paparicá-las, elogiá-las, jamais criticá-las ou reclamar coisa alguma, devem ser perfeitos capachos, para não causar qualquer “sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral”, sem que tenha obviamente os mesmos direitos em contrapartida. (Lei 11.340 Art. 5)

Na saída do motel, leve-a ao Instituto Médico Legal e exija um exame de corpo de delito, com expedição de laudo negativo para lesões corporais (Art. 129 CPB) e negativo para presença de esperma na vagina, para TENTAR evitar desembolsar nove meses de bolsa-barriga caso ela saia dali e engravide de outro. (Lei 11.804 Art. 6)

Finalmente, se houver presença de esperma na vagina da moça, exija imediatamente uma coleta de amostra para futura investigação de paternidade (Lei 1.060 Art. 3 inciso VI) e solicitação de restituição de eventuais pensões alimentícias obtidas mediante ardil ou fraude. (Art. 171 CPB)

Fazendo tudo isso, TALVEZ você possa fazer “sexo seguro”, se ainda estiver interessado.

Fonte: texto recebido via email

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Horóscopo das putas

Áries 21/03 a 20/04
O comportamento de uma puta de áries se resume em uma palavra: insaciável. Nunca está satisfeita. E ai de você se você não comer o cu dela hoje! No outro dia vai começar a agir feito uma criança que teve seu pirulito roubado, vai gritar com muita histeria, não importa onde vocês estiverem. Se estiverem na entrada do seu serviço, azar seu, ela fará o escândalo do mesmo jeito. Boquete perigoso, em ambos sentidos: é um dos melhores do zodíaco, e também perigoso porque a ariana nem sempre dispensa uma boa abocanhada, com dente e tudo. E o pior é que é exigente: depois de um tempo começa a agir como se fosse sua dona, mesmo dando pra todo mundo todo dia. Pode uma coisa dessas? Só saia com puta de áries se você estiver mesmo a fim de descobrir do que uma puta é capaz (se é no bom ou no mau sentido, descubra por sua conta e risco)

Touro 21/04 a 20/05
Adora pegar homem dos outros. O lema da puta taurina é "casado é mais apetitoso". Quando for comer uma taurina, não vá à casa dela: você vai se sentir num museu. Não é uma boa pedida, a não ser que você goste de armários com ornamentos no estilo rococó ou cadeiras Luis XV. E ela não vai deixar você ir embora enquanto você não estiver totalmente desprovido de energia. É a puta de cara séria nas festas, a puta cara, mais cara e exigente que a de Leão. Aquela que não dá pra pobre. Nem pagando. Se voce é pobre, desista.. Tem que ter carrão, porque a puta taurina é exigente, só gosta de coisa fina, mas compensa cada centavo gasto: Trepa com gosto e goza de verdade.. Mesmo que voce seja " the best" , fica sempre com cara de quem comeu e não gostou. Certamente numa super-festa, voce as encontra encostadas em alguma parede esperando por algum geminiano ou escorpiniano trouxa. Adora fanta uva. Leve dólares...

Gêmeos 21/05 a 20/06
Ê puta mala! A mulher mais mala do zodíaco é a geminiana, e com a puta não poderia ser diferente. Não pára de falar um minuto: é um modo de tentar te convencer de que ela é uma menina inteligente. De início elas até enganam com essa máscara, mas bastam alguns minutos para se descobrir definitivamente que, além de não serem tão inteligentes assim, as putas de gêmeos são malas pra caralho! Falam mesmo, e sobre qualquer coisa, e o pior, a qualquer momento. É a típica putinha pseudo-intelectual que gosta da obra de qualquer artista badalado no momento. É a típica fã de filme do Almodóvar. Qualquer filme deixa a puta de gêmeos excitada, até o do Ace Ventura. Pra deixá-la louca para dar o cuzinho, basta levá-la ao cinema. As putas de gêmeos adoram vernissages. São Paulo é e sempre será a cidade preferida delas, depois de Nova Iorque, claro. Esquisitices são com elas mesmo. Se no meio da noite você acordar com a puta conversando animadamente com o seu pau sobre cinema, pode apostar: é puta de gêmeos. É pra uma noite só, e chega.

Câncer 21/06 a 21/07
Cuidado! Esta puta é muito maternal! Se depois de comê-la você tiver febre, ela é daquela que vai te cuidar na caminha, dar remédio na boquinha, te tratar como um bebezinho. É daquelas que ou fuma ou já experimentou maconha. Tem gatos idiotas em casa. É a típica puta de eletricistas e encanadores. De puta que é, você pode está gripado na cama, com 40 graus de febre: ela vai dar pro entregador de pizza numa boa no sofá da sala, e se você estiver precisando de tomar dipirona e gritar, ela pára a trepada, te dá o remédio e volta em seguida para os braços do entregador. Se você é daqueles que se acham "salvador de putas", daqueles que as "tiram daquela vida" para transformá-las em dedicadas esposas, este é um dos poucos signos que te oferecerão boas chances de sucesso. As putas de câncer tem a curiosa característica de cansarem de ser putas depois de uma certa idade, e passam a se dedicar integralmente ao seu papel de mães se tiverem filhos, ou de enfermeiras se não tiverem.

Leão 22/07 a 22/08
Prepare o seu bolso! Puta de luxo. Caríssima. Vaidosa que só ela. Jóias, todas as jóias do mundo para esta puta glamurosa. Se for pobre, fará de tudo para simular riqueza, comprando bijuterias, calcinhas de renda, ou sapatos de salto nas liquidações das lojas da rua Saldanha Marinho. Gosta que você bata na bunda dela até ficar vermelha. Adora dar o cuzinho. Não pode ver policial na rua. Se estiver dirigindo, pisa fundo no acelerador só pra ter a chance de ser multada por algum deles. Se você for de classe social B ou A, e portanto tiver acesso a uma puta leonina, só tome cuidado pra não sujar a roupa dela, senão o escândalo que ela detonará vai ser de um tamanho tal que te fará se arrepender de ter nascido...

Virgem 23/08 a 22/09
Assim como a puta de gêmeos, a de virgem é um saco. Não é nem 10% do que a geminiana é em termos de ser mala. As virginianas na verdade não são malas. O que enche o saco é o pré-requisito: para comer uma puta de virgem, é preciso saber mitologia grega. Você tem que vir com aqueles papos de que ela é afrodite e tal. Mas se você souber um pouco de mitologia grega e tiver paciência, terá acesso à puta mais puta que você já conheceu. Bebe sêmem no chão, pede pra você enrabar sem usar lubrificante, bate uma punheta muito gostosa, pede pra ser comida por 5 ao mesmo tempo, enfim, é puta totalmente puta. Se você não manja nada de mitologia, ainda há uma chance: basta convidá-la pra acampar e chamar a turma de amigos para ir junto. É a típica putinha de acampamento, que garante dias de diversão. É item obrigatório na bagagem, tanto quanto o jogo de cartas e o violão.

Libra 23/09 a 22/10
A puta de libra é sofisticada, mas não é cara como a leonina. A sofisticação da puta libriana é genial: perfumes, música, tudo aquilo que dá um clima bom faz com que ela se transforme numa belíssima (e dificilmente decepcionante) puta. Sabe tirar sofisticação mesmo de situações de baixo orçamento. É a puta dançarina. Se numa festa a fantasia tiver uma mulher vestida de odalisca e dançando de maneira muito empolgada, pode ser uma puta de peixes, mas se estiver muito perfumada, é de libra. O que importa é dançar. As cachorrinhas de baile funk são muitas vezes librianas.

Escorpião 23/10 a 21/11
É a puta cara-de-pau. Não parece muito puta, normalmente é tímida, mas quando dá pra ser puta, deus nos acuda...dá em qualquer ambiente: banheiros, almoxarifados, corredores de teatro, congresso nacional...É a típica esposa puta, daquelas que fala "oi benzinho" quando o marido chega cansado de uma longa viagem e ela aproveitou para tirar o atraso com marinheiros ou strippers enquanto o marido viajava. O marido nem desconfia de que tem uma máquina de chifres em casa. A puta de escorpião é uma das poucas que não precisa de justificativa para dar. É na base do "dou porque gosto", se não for intelectualizada, ou do tipo "dou, logo existo", se for intelectualizada.

Sagitário 22/11 a 21/12
A puta de sagitário ri muito, fala palavrão e pode comentar o seu desempenho sexual até na fila do caixa eletrônico do Itaú. Tem especial atração por bois e cavalos, assim como as taurinas. É a puta de festa do peão. Também pode ser a puta fotogênica, daquelas que dançam no programa do Gugu ou ficam nos stands do Salão do Automóvel e de frente para espelhos. As bandas de Axé Music, quando tem dançarinas, pode crer que uma delas é de sagitário. Desinibidas , adoram uma aventura e um convite inusitado - dominam também!. Por terem o porte grande, não venha com "coisas pequeninas" - pela honestidade delas , vc poderá ficar com vergonha!Piadas são com elas mesmas. Sem-graça, mas tudo bem. O que vale afinal são os buracos, todos muito gulosos.

Capricórnio 22/12 a 20/01
É o mais claro exemplo que confirma a frase que diz "as aparências enganam". Muito econômica em tudo na vida, só abre exceção para o sexo, onde não economiza nada. Suga tudo, o cu fica imenso, a buceta fica roxa...E ela ainda quer mais, mais, mais. É como a ariana neste sentido, só não é violenta. É a puta que gosta de reggae, ou de música regionalista. Pode ser comunista, às vezes. E é fã de Gilberto Gil, claro. Só ele é capaz de fazê-la interromper uma trepada. Está dada a dica. Quando você não aguentar mais, pegue o controle do aparelho de som sem que ela perceba e toque alguma faixa do seu cd do Gil. Ao menos enquanto durar a música, a pausa estará garantida

Aquário 21/01 a 19/02
A puta de aquário dá por humanitarismo. Ela gosta de ajudar os necessitados e desvalidos de todo tipo. Se apaixona por gays com facilidade pois sabe que jamais vão querer comê-la, a menos que ela os envolva com teorias altamente freudianas explicando que é mister que eles se lembrem da virilidade perdida, reeditando seus complexos edipianos, comendo uma puta aquariana de vez em quando (só mesmo uma puta de aquário para embarcar numa viagem destas, e pior ainda, convencer!). A puta de aquário, às vezes num puta tédio de puta, na ânsia de uma nova e emocionante aventura, dá pra algum sujeito totalmente inusitado, ou somente para não perder o costume, afinal de contas, é de aquário mas é puta. Quando uma mulher de aquário que não é puta e quer agir como puta, normalmente usa de alguma justificativa humanitária para consolidar seu desejo. Agora, se você é daqueles sujeitos que se realizam sendo os "heróis" que tiram as mulheres putas de sua "vida dura", convertendo-as em mulheres virtuosas, não perca tempo com uma puta de aquário. Ela jamais deixará de ser puta só porque você quer. Não existe aquariana que vire puta por "necessidade financeira" ou qualquer outro pretexto típico de puta. Se virou é porque quis mesmo. As putas de aquário são facilmente reconhecidas numa danceteria: quando começa a tocar "eu sou de ninguém/eu sou de todo mundo/e todo mundo me quer bem", ela sempre é a primeira a sacudir o corpo todo, com as mãos pra cima, olhos fechados mirando o céu, cantando o refrão....

Peixes 20/02 a 20/03
Uma gracinha de putinha. Adora desenhos animados, normalmente o do Pica-Pau, ou Pinky e o Cérebro se ela for uma puta de classe média e tiver tv a cabo. É daquela que não tem problema nenhum em comentar um episódio do Chaves entre uma trepada e outra. Tem cara de séria. Pode trepar com uma expressão tão sisuda que vai parecer que está dando por obrigação. Ledo engano É que ela está sempre com expressão séria, mesmo. É a típica putinha que freqüenta bares de mpb. Adora dar pra músicos. Para cada música do Chico Buarque que você tocar, a puta pisciana te oferece um boquete com creme de leite, ou um cuzinho assado, ou uma tradicional e sempre bem-vinda xoxotada ao molho madeira, pra ela tanto faz. E depois de uma boa trepada com seu músico favorito, volta para o bar, sobe no palco e canta Elis Regina. Pior ainda: canta bem. Chora um pouco depois da quarta trepada consecutiva. Não é culpa sua: ela chora por qualquer motivo, mesmo. Tome cuidado para não se apaixonar! Lembre-se de que é uma puta, e vai reproduzir as mesmas lindas e emocionantes cenas na cama de algum sambista mal-sucedido no dia seguinte.

domingo, 30 de abril de 2017

Fetiches


Partindo da premissa que todo ser humano é um fetichista, você só precisa descobrir qual é. Para auxilia-lo, segue lista de alguns fetiches comuns e incomuns, leia com atenção, pois no meio de uma conversa, sabendo do que se trata, você poderá habilmente detectar qual o fetiche dele(a)
Lista de Fetiches Comuns
Masoquismo: prazer ao sentir dor ou imaginar que a sente. 
Sadismo: prazer erótico com o sofrimento alheio.
Sadomasoquismo: prazer por sofrer e, ao mesmo tempo, impingir dor a outrem.
Fisting: prazer com a a inserção da mão ou antebraço na vagina ou no ânus.
Exibicionismo: fetiche por exibir a própria nudez.
Voyeurismo: prazer pela observação da intimidade de outras pessoas, que podem ou não estar nuas ou praticando sexo.
Podolatria: fetiche por pés.
Quirofilia: excitação sexual por mãos.
Sarilofilia: fetiche por saliva ou suor.
Lolismo: preferência sexual e erótica de homens maduros por meninas adolescentes
Urofilia: excitação ao urinar no parceiro ou receber dele o jato urinário, ingerindo-o ou não.
Agorafilia: atração por copular em lugares abertos ou ao ar livre.
Bondage: prática onde a excitação vem de amarrar ou/e imobilizar o parceiro.
Crinofilia: excitação sexual por secreções (saliva, suor, secreções vaginais, etc).
Tricofilia: fetiche por cabelos e pelos.
Partenofilia: fixação sexual por pessoas virgens.
Odaxelagnia: fetiche por mordidas.

Lista de Fetiches não tão comuns
Agorafilia: atração por atividades sexuais em locais públicos;
Aiquemofilia: Prazer pelo uso de objetos pontudos e cortantes.
Amaurofilia: excitação da pessoa pelo parceiro que não é capaz de vê-la 
Anemofilia: excitação sexual com vento ou sopro nos genitais ou em outra zona erógena.
Apotemnofilia: desejo de se ver amputado.
Asfixiofilia: prazer pela redução de oxigênio.
ATM: prática em que o parceiro ativo, após o coito anal, leva seu pênis à boca da pessoa penetrada.
BBW: atração por mulheres obesas
Bukkake: modalidade de sexo grupal praticado com uma pessoa que "recebe" no rosto a ejaculação de diversos homens.
Clismafilia: fetiche por observar ou sofrer a introdução de enemas.
Coprofilia: fetiche pela manipulação de fezes, suas ou do parceiro.
Coreofilia: excitação sexual pela dança.
Crematistofilia: excitação sexual ao dar dinheiro, ser roubado, chantageado ou extorquido pelo parceiro.
Cronofilia: excitação erótica causada pela diferença entre a idade sexo-erótica e a idade cronológica da pessoa, porém em concordância com a do parceiro.
Dendrofilia: atração por plantas.
Emetofilia: excitação obtida com o ato de vomitar ou com o vômito de outro.
Espectrofilia: prática medieval que consiste na excitação por fantasias com fantasmas, espíritos ou deuses.
Flatofilia: prazer erótico em escutar, cheirar e apreciar gases intestinais próprios e alheios.
Frotteurismo: prazer em friccionar os órgãos genitais no corpo de uma pessoa vestida.
Gerontofilia: atração sexual de não-idosos por idosos.
Lactofilia: fetiche por observar ou sugar leite saindo dos seios
Menofilia: atração ou excitação por mulheres menstruadas.
Nesofilia: atração pela cópula em ilhas, geralmente desertas.
Pirofilia: prazer sexual com fogo, vendo-o, queimando-se ou queimando objetos com ele.
Pregnofilia: fetiche por mulheres grávidas e/ou pela observação de partos.
Timofilia: excitação pelo contato com joias e metais preciosos.
Trampling: fetiche onde o indivíduo sente prazer ao ser pisado pelo parceiro.
Vorarefilia: atração por um ser vivo engolindo ou devorando outro.

Então, em qual você se enquadra??

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Conheça os dez mandamentos do chimarrão

Cada vez mais gente vem tomando chimarrão no Rio Grande do Sul. A onda de valorização da música e do tradicionalismo do Rio Grande, iniciada com a criação da Califórnia da Canção Nativa, multiplicou-se através de mais de quarenta festivais do gênero e levou a gauchada a descobrir (ou redescobrir) o chimarrão, a bombacha, a alparagata e outras coisas da terra.
Se tu és dos que estão descobrindo agora o chimarrão, seja pelo motivo apontado, seja por se tratar de turista de passagem ou ainda por qualquer outro motivo, saibas que, ao lado da simplicidade desse costume e da informalidade que caracteriza a roda de chimarrão, existem certas regras, mandamentos, mesmo, que devem ser respeitados por todos. Vejamos, pois, aquelas coisas que ninguém tem o direito de fazer, sob pena de ver os tauras daqui empunhar lanças pela enésima vez na história e, talvez, antecipar o “dia seguinte”.
1-NÃO PEÇAS AÇÚCAR NO MATE - O gaúcho aprende desde piazito que e por que o chimarrão se chama também mate amargo ou, mais intimamente, amargo apenas. Mas, se tu és dos que vêm de outros pagos, mesmo sabendo poderás achar que é amargo demais e cometer o maior sacrilégio que alguém pode imaginar neste pedaço do Brasil: pedir açúcar. Pode-se pôr na água ervas exóticas, cana, frutas, cocaína, feldspato, dólar etc, mas jamais açúcar. O gaúcho pode ter todos os defeitos do mundo mas não merece ouvir um pedido desses. Portanto, tchê, se o chimarrão te parece amargo demais não hesites: pede uma Coca-Cola com canudinho. Tu vais te sentir bem melhor.
2-NÃO DIGAS QUE O CHIMARRÃO É ANTI-HIGIÊNICO - Tu podes achar que é anti-higiênico pôr a boca onde todo mundo põe. Claro que é. Só que tu não tens o direito de proferir tamanha blasfêmia em se tratando do chimarrão. Repito: pede uma Coca-Cola com canudinho. O canudo é puro como água de sanga (pode haver coliformes fecais e estafilococos dentro da garrafa, não no canudo).
3-NÃO DIGAS QUE O MATE ESTÁ QUENTE DEMAIS – Se todos estão chimarreando sem reclamar da temperatura da água, é porque ela é perfeitamente suportável por pessoas normais. Se tu não és uma pessoa normal, assume e não te fresqueies. Se, porém, te julgas perfeitamente igual às demais, faze o seguinte: vai para o Paraguai. Tu vais adorar o chimarrão de lá.
4-NÃO DEIXES UM MATE PELA METADE - Apesar da grande semelhança que existe entre o chimarrão e o cachimbo da paz, há diferenças fundamentais. Com o cachimbo da paz, cada um dá uma tragada e passa-o adiante. Já o chimarrão, não. Tu deves tomar toda a água servida, até ouvir o ronco de cuia vazia. A propósito, leia logo o mandamento seguinte.
5-NÃO TE ENVERGONHES DO “RONCO” NO FIM DO MATE – Se, ao acabar o mate, sem querer fizeres a bomba “roncar”, não te envergonhes. Está tudo bem, ninguém vai te julgar mal-educado. Este negócio de chupar sem fazer barulho vale para Coca-Cola com canudinho, que tu podes até tomar com o dedinho levantado.
6-NÃO MEXAS NA BOMBA - A bomba do chimarrão pode muito bem entupir, seja por culpa dela mesma, da erva ou de quem preparou o mate. Se isso acontecer, tens todo o direito de reclamar. Mas, por favor, não mexas na bomba. Fale com quem lhe ofereceu o mate ou com quem lhe passou a cuia. Mas não mexas na bomba, não mexas na bomba e, sobretudo, não mexas na bomba.
7-NÃO ALTERES A ORDEM EM QUE O MATE É SERVIDO – Roda de chimarrão funciona como cavalo de leiteiro. A cuia passa de mão em mão, sempre na mesma ordem. Para entrar na roda, qualquer hora serve mas, depois de entrar, espera sempre tua vez e não queiras favorecer ninguém, mesmo que seja a mais prendada prenda do Estado.
8-NÃO “DURMAS” COM A CUIA NA MÃO – Tomar mate solito é um excelente meio de meditar sobre as coisas da vida. Tu mateias sem pressa, matutando, recordando… E, às vezes, te surpreende até imaginando que a cuia não é cuia mas o quente seio moreno daquela chinoca faceira que apareceu no baile do Gaudêncio… Agora, tomar chimarrão numa roda é mui diferente. Aí o fundamental não é meditar e sim integrar-se à roda. Numa roda de chimarrão, tu falas, discutes, ri, xingas, enfim, tu participas de uma comunidade em confraternização. Só que esta tua participaçâo não pode ser levada ao extremo de te fazer esquecer da cuia que está em tua mão. Fala quanto quiseres mas não esqueças de tomar teu mate, que a moçada tá esperando.
9-NÃO CONDENES O DONO DA CASA POR TOMAR O 1º MATE – Se tu julgas o dono da casa um grosso por preparar o chimarrão e tomar ele próprio o primeiro, saibas que grosso é tu. O pior mate é o primeiro e quem o toma está te prestando um favor.
10-NÃO DIGAS QUE CHIMARRÃO DÁ CÂNCER NA GARGANTA - Pode até dar. Mas não vai ser tu, que pela primeira vez pegas na cuia, que irás dizer, com ar de entendido, que chimarrão é cancerígeno. Se aceitaste o mate que te ofereceram, toma e esquece o câncer. Se não der para esquecer, faze o seguinte: pede uma Coca-Cola com canudinho, que ela… etc, etc.
Fonte:http://www.ervamatesantoantonio.com.br/new/conheca-os-dez-mandamentos-chimarrao/

domingo, 23 de abril de 2017

Óleo Lubrificante - Tira Dúvidas


Como devo escolher o lubrificante para meu carro?
R: Para saber qual é o lubrificante correto para seu veículo, consulte o "Manual do Proprietário" na parte de manutenção quanto à viscosidade (SAE) e ao desempenho (API) ou então verifique nas tabelas de recomendação disponíveis nos postos de serviço.


Qual o nível correto do óleo no carro?
R: Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, o nível correto se encontra entre os dois traços e não só no traço superior. Se o óleo fica abaixo do mínimo da vareta, o motor pode ser prejudicado por falta de lubrificação. No entanto, se o óleo fica acima do máximo da vareta, haverá aumento de pressão no cárter, podendo ocorrer vazamento e até ruptura de bielas, além do óleo em excesso ser queimado na câmara de combustão sujando as velas e as válvulas, danificando também o catalisador no sistema de descarga do veículo.


Quando devo completar o nível de óleo?
R: Com o uso do carro, o nível do óleo baixa um pouco devido às folgas do motor e à queima parcial na câmara de combustão. Assim, enquanto não chega a hora de trocar o óleo, devemos ir completando o nível.


Escuto dizer que óleo bom é aquele que não baixa o nível e não precisa de reposição. Isto é verdade?
R: Não. A boa lubrificação é aquela em que o óleo lubrifica até o anel do pistão mais próximo da câmara de combustão onde esse óleo é parcialmente queimado, sendo consumido. É normal um consumo de meio litro de óleo a cada mil quilômetros rodados, com carros de passeio, mas cada fabricante de motor especifica um consumo normal para seu motor, de acordo com o projeto. É bom ressaltar que carro novo consome óleo.


É verdade que o óleo de motor deve ser claro e o óleo de engrenagem escuro?
R: É comum se ter esta opinião, no entanto ela não é correta. Os óleos lubrificantes são formulados misturando-se básicos e aditivos e a sua cor final dependerá da cor do básico e do aditivo que forem empregados na sua formulação. Além disso, a cor não tem nenhuma influência no desempenho do óleo.


O óleo mais escuro é também mais grosso?
R: Este é outro conceito errado. O óleo mais claro pode ser mais viscoso (grosso) do que um óleo escuro e vice-versa.
7. Por que o óleo de motor fica escuro com o uso?
R: Para realizar a função de manter o motor limpo, o óleo deve manter em suspensão as impurezas que não ficam retidas no filtro de óleo, para que elas não se depositem no motor. Desta forma, o óleo fica escuro e o motor fica limpo.


Quando devo trocar o óleo do carro?
R: Quando atingir o período de troca recomendado pelo fabricante do veículo e que consta do "Manual do Proprietário". Os atuais fabricantes dos motores vêm recomendando períodos de troca cada vez maiores, dependendo do tipo de serviço e da manutenção do carro.


É verdade que o motor deve estar quente na hora de troca de óleo?
R: Sim, porque quando o óleo está quente, ele fica mais fino e tem mais facilidade de escorrer.


Quanto tempo devo esperar para medir o nível de óleo?
R: É importante que se espere pelo menos 5 minutos após o motor ter sido desligado para se medir o nível do óleo. Isto porque, neste tempo, o óleo vem descendo das partes mais altas do motor para o cárter e assim podemos ter a medida real do volume de óleo.


Posso aumentar o período de troca quando uso óleos sintéticos?
R: Embora os lubrificantes sintéticos possuam características de qualidade superiores, a maioria dos fabricantes de veículos ainda não diferencia os períodos de troca, caso se utilize óleos sintéticos ou minerais. Recomendamos seguir a indicação do Manual do Proprietário para intervalo de troca.


O filtro de óleo também deve ser trocado? Quando?
R: Sim. O óleo, com seus aditivos detergentes/dispersantes, carrega as sujeiras que iriam se depositar no motor. Ao passar pelo filtro, as impurezas maiores ficam retidas e as menores continuam em suspensão no óleo. Chega um momento em que o filtro, carregado de sujeira, dificulta a passagem do óleo podendo causar falhas na lubrificação. A situação se agrava quando ocorre o bloqueio total do filtro de óleo, o que pode causar sérios danos ao motor. O período de troca do filtro de óleo também é recomendado pelo fabricante do veículo e consta do "Manual do Proprietário". Eu costumo trocar o filtro a cada troca de óleo.


Qual a diferença entre "serviço severo" e "serviço leve" que são termos usados pelos fabricantes de veículos quando falam em intervalos de troca de óleo?
R: Serviço severo é típico para os carros que andam nos centros urbanos, com o anda e pára do tráfego e por pequenas distâncias, de até 6 km, ou em estradas poeirentas. Serviço leve é aquele em que os carros trafegam por percursos longos e velocidades quase constantes em rodovias pavimentadas, como no caso de viagens.


Qual a validade do óleo lubrificante?
R: A validade do óleo lubrificante é indeterminada, desde que o produto seja armazenado de maneira correta, ou seja, lacrado em sua embalagem, em local seco e evitando exposição ao calor e à luz do sol.


Devo adicionar algum aditivo ao óleo para melhorar o desempenho do meu motor?
R: Não há necessidade de adicionar aditivos complementares ao óleo. Os lubrificantes recomendados já possuem todos os aditivos necessários para atenderem perfeitamente ao nível de qualidade exigido.


Posso misturar produtos de marcas diferentes?
R: A princípio, os óleos automotivos existentes no mercado são compatíveis entre si, não apresentando problemas quanto a misturas, desde que se tome cuidado de misturar produtos de mesmo nível de desempenho API e de mesma faixa de viscosidade SAE. No entanto, a melhor alternativa ainda é evitar estas misturas, sempre que possível, de forma a permitir o melhor desempenho do óleo utilizado.


Qual a diferença entre o óleo mineral, semi-sintético e sintético? Eles podem ser misturados?
R: O lubrificante é composto por óleos básicos e aditivos. Sua função no motor é lubrificar, evitar o contato entre as superfícies metálicas e refrigerar, independentemente de ser mineral ou sintético. A diferença está no processo de obtenção dos óleos básicos. Os óleos minerais são obtidos da separação de componentes do petróleo, sendo uma mistura de vários compostos. Os óleos sintéticos são obtidos por reação química, havendo assim maior controle em sua fabricação, permitindo a obtenção de vários tipos de cadeia molecular, com diferenças características físico-químicas e por isso são produtos mais puros.
Os óleos semi-sintéticos ou de base sintética, empregam mistura em proporções variáveis de básicos minerais e sintéticos, buscando reunir as melhores propriedades de cada tipo, associando a otimização de custo, uma vez que as matérias-primas sintéticas possuem custo muito elevado.
Não é recomendado misturar óleos minerais com sintéticos, principalmente de empresas diferentes. Seus óleos básicos apresentam naturezas químicas diferentes e a mistura pode comprometer o desempenho de sua aditivação, podendo gerar depósitos. Além disso, não é economicamente vantajoso, já que o óleo sintético é muito mais caro que o mineral e a mistura dos dois equivale praticamente ao óleo mineral, sendo, portanto, um desperdício.
Uma dica interessante se refere à troca de óleo mineral por sintético. É importante trocar o filtro de óleo junto com a primeira carga de sintético e trocar esta carga no período normal de troca do veículo em função da sua utilização.


Qual o significado das siglas que vêm nas embalagens de lubrificantes (API, ACEA, JASO, NMMA)? Qual a relação delas com o desempenho dos produtos?
R: Estas são siglas de entidades internacionais que são responsáveis pela elaboração de uma série de normas (baseadas em testes específicos) para a classificação dos lubrificantes, de acordo com seu uso. Desta forma, o consumidor tem como identificar se o lubrificante atende às exigências de seu equipamento, consultando seu manual.
Como exemplo temos:
SAE - Society of Automotive Engineers
É a classificação mais antiga para lubrificantes automotivos, definindo faixas de viscosidade e não levando em conta os requisitos de desempenho. Apresenta uma classificação para óleos de motor e outra específica para óleos de transmissão. Maiores informações em "O que significam os números (20W/40, 50, etc.) que aparecem nas embalagens de óleo?".
API - American Petroleum Institute
Grupo que elaborou, em conjunto com a ASTM (American Society for Testing and Materials), especificações que definem níveis de desempenho que os óleos lubrificantes devem atender. Essas especificações funcionam como um guia para a escolha por parte do consumidor. Para carros de passeio, por exemplo, temos os níveis API SL, SJ, SH, SG, etc.. O "S" desta sigla significa Service Station, e a outra letra define o desempenho. O primeiro nível foi o API SA, obsoleto há muito tempo, consistindo em um óleo mineral puro, sem qualquer aditivação. Com a evolução dos motores, os óleos sofreram modificações, através da adição de aditivos, para atender às exigências dos fabricantes dos motores no que se refere à proteção contra desgaste e corrosão, redução de emissões e da formação de depósitos, etc.. Atualmente, o nível API SL é o mais avançado. No caso de motores diesel, a classificação é API CI-4, CH-4, CG-4, CF, etc. O "C" significa Commercial. A API classifica ainda óleos para motores dois tempos e óleos para transmissão e engrenagens.
ACEA - Association des Constructeurs Européens de l´Automobile (antiga CCMC)
Classificação européia associam alguns testes da classificação API, ensaios de motores europeus (Volkswagen, Peugeot, Mercedes Benz, etc.) e ensaios de laboratório.
JASO - Japanese Automobile Standards Organization
Define especificação para a classificação de lubrificantes para motores a dois tempos (FA, FB e FC, em ordem crescente de desempenho).
NMMA - National Marine Manufacturers Association
Substituiu o antigo BIA (Boating Industry Association), classificando os óleos lubrificantes que satisfazem suas exigências com a sigla TC-W (Two Cycle Water), aplicável somente a motores de popa a dois tempos. Atualmente encontramos óleos nível TC-W3, pois os níveis anteriores estão em desuso.


O que significam os números (20W/40, 50, etc.) que aparecem nas embalagens de óleo?
R: Estes números que aparecem nas embalagens dos óleos lubrificantes automotivos (30, 40, 20W/40, etc.) correspondem à classificação da SAE (Society of Automotive Engineers), que se baseia na viscosidade dos óleos a 100ºC, apresentando duas escalas: uma de baixa temperatura (de 0W até 25W) e outra de alta temperatura (de 20 a 60). A letra "W" significa "Winter" (inverno, em inglês) e ela faz parte do primeiro número, como complemento para identificação. Quanto maior o número, maior a viscosidade, para o óleo
suportar maiores temperaturas. Graus menores suportam baixas temperaturas sem se solidificar ou prejudicar a bombeabilidade.
Um óleo do tipo monograu só pode ser classificado em um tipo escala (o MG-1 apresenta os graus 20W, 30, 40 ou 50). Já um óleo com um índice de viscosidade maior pode ser enquadrado nas duas faixas de temperatura, por apresentar menor variação de viscosidade em virtude da alteração da temperatura. Desta forma, um óleo multigrau SAE 20W/40 se comporta a baixa temperatura como um óleo 20W reduzindo o desgaste na partida do motor ainda frio e em alta temperatura se comporta como um óleo SAE 40, tendo uma ampla faixa de utilização.
Uma outra especificação muito importante é o nível API (American Petroleum Institute)
Quando for usar um óleo em seu carro, consulte o manual e fique atento a estas especificações. Eis alguns exemplos:
SAE 20W/40 - API SF
SAE 20W/50 - API SL/CF - ACEA A3
SAE 20W/50 - API SL/CF - ACEA A3
SAE 20W/50 - API SJ
SAE 5W/40 - API SJ/CF, ACEA A3/B3, MB 229.1, VW 502.00/505.00


A especificação de fluido para freio SAE J 1703 é a mesma que DOT-3?
R: Não. Ambas atendem a normas americanas e são para freios a tambor e a disco, no entanto, uma foi definida pela entidade SAE e outra pelo Departamento de Transporte da FMVSS.
Na prática elas se equivalem, isto é, onde se recomenda uma pode-se usar a outra e vice-versa.


Em relação a óleos para caixas de câmbio de automóveis, qual a diferença entre as especificações API GL-4 e GL-5? Existe algum problema em se usar o GL-5 ao invés do GL-4?
R: A especificação API GL-4 designa um serviço de engrenagens hipóides de carros de passageiros e outros equipamentos automotivos, operando sob condições de alta velocidade e baixo torque ou vice-versa. .
Já a especificação API GL-5 é designada também para engrenagens hipóides, operando sob condições de alta velocidade e cargas instantâneas (choque), situação encontrada em caixas de mudanças de caminhões e em eixos traseiros (diferenciais).
A utilização de um óleo API GL-5 na transmissão ao invés do GL-4 irá gerar problemas de engate e "arranhamento" durante a troca de marchas, comprometendo a vida útil da caixa de mudanças. Este problema é decorrente do maior teor de aditivos dos óleos API GL-5 em relação aos API GL-4, que acabam interferindo negativamente no funcionamento do mecanismo de sincronização das marchas.


Posso colocar graxa de sabão de cálcio em cubos de rodas?
R: Não, porque esta graxa só pode trabalhar em temperaturas de até 70°C e nos cubos de rodas a temperatura passa de 100°C. A graxa se tornaria líquida e o equipamento sofreria sérios danos.


Posso usar óleo para motores diesel, como MD-400, Extra Turbo e Top Turbo, em motores a gasolina ou álcool?
R: Para veículos que requeiram óleo de nível API SJ ou inferior, o Lubrax Extra Turbo, por exemplo, pode ser usado, pois atende simultaneamente aos níveis API CG-4 / SJ, sendo um óleo ideal para uso em frota mista (diesel e gasolina). Os outros produtos da linha diesel não têm qualificação para uso em motores a gasolina.


Óleos tipo PAO (polialfaolefinas) são biodegradáveis?
R: A biodegradabilidade das polialfaolefinas (PAO) é similar a dos óleos básicos minerais. A biodegradabilidade é definida como a velocidade na qual uma substância é reduzida a CO2 e água por bio-atividade, sendo o tempo medido em dias. Quando a substância biodegrada 60% em 28 dias, é considerada de biodegradabilidade lenta. Se o percentual é maior que 60% no mesmo período, é considerada rapidamente biodegradável. No caso do PAO, os graus de menor viscosidade apresentam melhor biodegradabilidade que os de maior viscosidade, sendo o PAO 2 considerado de biodegradabilidade rápida e os demais graus de baixa.


Quais são as causas da borra em motores?
R: Os problemas de presença de borra em motores são decorrentes principalmente dos seguintes fatores:
a) Uso do óleo lubrificante incorreto no motor - Geralmente quando se utiliza um lubrificante com nível de desempenho inferior ao recomendado pelo fabricante do veículo. Mesmo reduzindo o período de troca, pode haver problemas de formação de borra devido ao envelhecimento (oxidação) precoce do lubrificante;
b) Uso de aditivação extra - Não é recomendado o uso de aditivação suplementar de desempenho em óleos lubrificantes. Os óleos lubrificantes de qualidade (boa procedência) já possuem, de forma balanceada, todos os aditivos para que seja cumprido o nível de desempenho ao qual foi desenvolvido. Não há testes padronizados que avaliem o desempenho de mistura de óleos com aditivos extras. Pode haver incompatibilidade entre o óleo lubrificante e a aditivação suplementar e a borra é uma conseqüência deste problema;
c) Combustíveis adulterados - O uso de gasolina adulterada pode gerar borra no cárter. O óleo lubrificante é contaminado por subprodutos da queima do combustível durante sua vida útil. Essa contaminação ocorre e faz parte da operação do motor. Mas se o combustível for adulterado estes subprodutos serão de natureza diferente e resíduos com aspecto de resina poderão se formar no motor, aumentando a probabilidade da formação de borra, entupindo passagens de óleo e prejudicando a lubrificação e refrigeração interna do motor;
d) Extensão do período de troca - Mesmo utilizando o óleo correto e combustível de qualidade assegurada, períodos de troca além do recomendado podem levar à formação de borra, devido ao excesso de contaminação e de oxidação do lubrificante. Nos manuais dos veículos há a informação dos Kms recomendados para cada intervalo de troca. É importante diferenciar o tipo de serviço do veículo. Para carros de passeio, valores como 10.000, 15.000 e 20.000Km geralmente fazem referência a serviço leve (uso rodoviário). Mas na maioria dos casos o serviço é severo (uso urbano do tipo anda e pára, distâncias curtas) e o período adotado para a troca deve ser a metade (5.000, 7.500 ou 10.000Km, respectivamente). Essa informação não está clara em todos os manuais e se não for observada com atenção, problemas de borra podem ocorrer.