quinta-feira, 15 de maio de 2014

Como surgiu a maquiagem?

Proteção divina
No Egito antigo, tanto homens quanto mulheres preenchiam as palpebras com kohl, uma pasta obtida do mineral malaquita misturado com carvão e cinzas. O objetivo era proteger os olhos, considerados "espelhos da alma", contra espíritos malignos. Especialistas acreditam que essa é não apenas a origem da sombra mas também da própria maquiagem.
 
Convite ao pecado
O lápis do olho também vem do kohl. O formato em bastão foi um modo de obter traços mais delineados. Na Idade Média, o hábito foi abandonado porque a Igreja o considerava uma forma de vaidade. Mas o kohl existe até hoje, em versão aprimorada. "É o chamado kajal, muito usado por indianos e árabes", explica o maquiador Marcus Martinelli.
 
Beterraba na cara
O tom vermelho no rosto indica boa circulação sanguínea - e, portanto, boa saúde. Na Grécia antiga, homens e mulheres reforçavam a cor com amoras e algas marinhas. O blush atual remonta à França do século 18 quando Alexander Bourjoism, dono de uma empresa de comésticos, criou um pó à base de frutas e beterraba. Batizou-o de rouge (vermelho, em francês)
 
Reboco de parede
Ao longo da história, vários povos criaram maneiras de corrigir imperfeições na pele - função atualmente resolvida com a base. Na Roma antiga, usavam giz para parecer mais brancos. No século 2, o médico e filósofo romano Galeno propôs um creme à base de água, cera de abelha e azeite de oliva. E no Japão do século 17 o segredo era uma pesada massa feita de pó de arroz, chamada oshiroi.

Presente de irmão
Foi o perfumista francês Eugene Rimmel, no século 19, que lançou a primeira forma de rímel. Em 1917, o químico T. L. Willian, atendendo a um pedido de sua irmã Maybel, reinventou o produto, adicionando vaselina e pó de carvão. Anos depois, fundou a empresa Maybelline e popularizou o produto na forma de bastão em tubo, o que facilitou muito sua aplicação.
 
Beleza que mata
Na Roma antiga, uma pasta gordurosa à base de cevada, chifre de veado, mel e salitre era usada como proteção para os lábios. "Os egípcios aplicavam pigmentos extraídos de algas, iodo e bromo manitol, que eram tóxicos", diz Martinelli. A moda de pintar a boca se tornou mais difundida (e segura) no século 17, com pomadas coloridas que viriam a originar o batom.
 
As cores do Status
Os egípcios também foram os pioneiros do esmalte, pintando as unhas com extratos de plantas. Mas foi na China do século 14 que surgiu a primeira mistura química para esse fim. "Era feita de goma-arábica, clara de ovo, gelatina e cera de abelha. As cores escuras eram usadas pelas pessoas de classe alta, e as claras pela população mais pobre", explica Martinelli.
 
Maquiagem para meninos
Uso estético varia conforme as culturas
Na sociedade ocidental, o uso de produtos de beleza ainda é um tabu entre os marmanjos. Mas ele não tem nada a ver com feminilidade, masculinidade ou orientação sexual. Os egípcios aplicavam kohl sem distinção de gênero e, mesmo atualmente, o kajal é adotado por árabes (para proteger os olhos) e indianos (em festas), por exemplo.
 
Curiosidades
Outra receita antiga foi registrada pelo dramaturgo Aristófanes, na Atenas do século 5 a.C: uma mistura de gordura e tinta vermelha


 
Fonte: Livro História da Maquiagem, da Cosmética e do Penteado: Em busca da Perfeição, de Ana Carlota R.Vita, e sites Portal Educação, Human Nature, Tessa Cosmetics e Makeup Atelier

Nenhum comentário:

Postar um comentário